menu-estetica menu-saude menu-nutricao menu-gestante menu-aliados menu-anuncie mari-responde conheca-mari

 

Como montar a lancheira do seu filho

lancheira saudável

Muitas mamães me perguntam sobre o que colocar na lancheira de seus filhotes, e se temos que ser saudáveis temos que começar desde cedo!

É por isso que hoje a Nutri Carol dá as dicas pra quem tem essa dúvida!

Uma lancheira saudável para o seu filho é uma garantia de que ele se alimentará corretamente.

Alimentação saudável se aprende em casa!!!

Nutrição é um assunto sério e não pode ser negligenciado. Por isso, o que recheia a geladeira de casa deve ser pensado antes mesmo de você precisar montar a primeira lancheira do seu filho. O desafio de educar o paladar de uma criança não é fácil. "Os alimentos preferidos dela são os de sabor doce e muito calóricos. Essa preferência é inata ao ser humano. Para os sabores doces, não é preciso se acostumar, como para os amargos e os azedos", explica Kelen Martins, nutricionista da Nutrir e Brincar, assessoria e consultoria em nutrição infantil. "As crianças tendem a preferir alimentos familiares, em detrimento dos que lhes são estranhos."

É o mesmo que dizer que o comportamento alimentar dos pais vai influenciar o gosto e as preferências dos filhos. Ou seja, se ele se acostumou a se sentar a uma mesa verde e colorida com muitas frutas, cereais e pouco açúcar, não vai torcer o nariz para uma lancheira cheia de uvas e morangos. Agora, se a dispensa da sua casa é lotada de doces e refrigerantes, a história complica. Fica mais delicado reeducar uma criança a comer depois que ela já entrou na idade escolar. Primeiro porque mudar um hábito exige mais esforço, independentemente da idade, depois porque, na medida em que seu filho cresce, diminui o seu controle sobre o que ele come.

O que não pode faltar na merenda

Assim como em todas as refeições, deve-se assegurar que cada lanche traga ao menos uma porção de um dos três grupos fundamentais de alimentos, que são o de alimentos energéticos, o dos construtores e o dos reguladores. No primeiro, estão cereais (como o arroz e o trigo), os açúcares (como o mel) e as gorduras (como o azeite). Entre os alimentos entendidos por construtores, estão as proteínas animais e vegetais, protagonistas na formação de nossos músculos, ossos e órgãos. Para representar essa categoria, podemos citar o leite e seus derivados, as carnes e as leguminosas, como o feijão e a soja. Por último, mas não menos importantes, estão os alimentos responsáveis por regular e controlar as funções do organismo, e é aí que entram as frutas, as verduras e os legumes.

No grupo dos alimentos energéticos, a atenção deve ser dobrada. Embora sejam essenciais para que seu filho tenha disposição para correr, brincar e estudar, eles não podem ser ingeridos indiscriminadamente. São alimentos mais calóricos e fáceis de serem estocados em forma de gordura no corpo. "Em vez de procurar os produtos que contêm açúcar refinado, o ideal é optar pelos carboidratos complexos, ou seja, os que têm digestão mais demorada, assim como a sensação de saciedade", ressalta a nutricionista Adriane Alves Marchisete, do Hospital Infantil Sabará, em São Paulo. Pães e arroz integrais, bem como os cereais naturais, são boas opções. "Isso não significa o fim do pão francês, das bisnaguinhas, dos bolinhos de chocolate e afins", pondera a especialista.

O que não deve entrar

Nem é preciso dizer que salgadinhos de pacote, frituras, refrigerantes e doces devem ser - na medida do possível - excluídos do cardápio semanal de uma criança. Esses alimentos oferecem muito sal, conservantes, açúcar e quase sempre nenhum benefício nutricional. Enlatados, sucos de caixinha e frios, por sua vez, devem ser escolhidos com critério. "Os pais devem estar atentos às informações presentes nos rótulos: a lista de ingredientes e as informações nutricionais", alerta Kelen Martins. Entre os embutidos, temos de correr para os defumados e é preciso evitar alimentos ricos em açúcar, gorduras saturadas, gorduras trans e com pouco teor de fibra alimentar. "Não existe alimento proibido, mas os que devem ser consumidos esporadicamente", explica.

Não precisa recorrer aos produtos light e diet

"As crianças, exceto as diabéticas, não devem utilizar adoçantes", aconselha Adriane Marchisete. Parte significativa da população utiliza uma grande quantidade de adoçantes sem pensar na possibilidade da ocorrência de efeitos colaterais. As crianças, até mesmo porque assistem aos pais trocarem o açúcar pelas gotinhas de aspartame, já estão iniciando o uso de adoçante muito cedo, mas não é preciso colocar produtos light e diet na lancheira do pequeno. Se ele se alimenta corretamente, não está com sobrepeso e não é uma criança diabética, os alimentos podem ser usados nas formas naturais.

Cuidado para não deixar o lanche sem graça

"Uma lancheira monótona, sempre com as mesmas preparações, desmotiva a criança a comer e faz a comida do colega ficar mais interessante", confirma Kelen Martins. Para evitar o desinteresse, os pais devem variar o cardápio, mudando o tipo de pão, os acompanhamentos (queijos, requeijão, geleias e frios) ou as bebidas (suco, água de coco ou leite). O modo de apresentação ajuda, e muito, na missão de evitar a rotina. Um dia você pode incluir um sanduíche de pão integral com pasta de ricota temperada com orégano, azeite e uma pitada de sal e peito de peru. Em outro, pode abrir espaço para o tradicional pão francês com mussarela de búfula e alface e, para dar um toque especial, colocar alguns tomates secos.

As bisnaguinhas, veneradas pelas crianças, podem vir recheadas com requeijão e presunto defumado ou com uma pasta de atum e queijo mussarela. Os bolos caseiros são bons aliados também, mas procure dar preferência aos mais sequinhos, como o de fubá e o de cenoura. Para ladear o lanche, você pode alternar iogurtes de frutas com leites fermentados e sucos. Só tente optar pelas versões concentradas, que você dilui em casa, e atenção se for escolher os modelos em caixinha, pois muitos deles são repletos de conservantes e açúcar. "Em relação às frutas, as melhores opções são as que podem ser consumidas com casca ou quando podem ser retiradas com facilidade", ensina a nutricionista Daniela Murakami, também da Nutrir e Brincar.

Boas dicas são permutar entre banana, maçã, pera, goiaba, uva e mexerica. O morango, além de fácil de comer, vira uma sobremesa se misturado com iogurte natural e é perfeito para os dias quentes desde que você dê preferência para a versão orgânica (livre de agrotóxicos). O mamão picado faz o par perfeito com a granola (para que esta se mantenha crocante, deve ser sempre colocada na lancheira em recipiente separado e ser adicionada à fruta só na hora do recreio). Para os menorzinhos, o ideal é picar as frutas, mas para isso é preciso atentar ao recipiente na qual ela será acondicionada e, se possível, prepará-las antes de sair de casa.

Pergunte ao seu filho o que ele quer comer

"A criança tem direitos fundamentais na alimentação, como na quantidade que lhe apetece, as preferências e aversões e a escolha do modo como o alimento é oferecido. Aos pais, cabe a educação, a orientação", defende Kelen Martins. Consultar o seu filho antes de montar a merenda escolar é um jeito de fazê-lo se sentir parte dessa escolha e evitará surpresas negativas depois.

Envolva a criança no preparo da comida

Incentivar a criança a ajudar no preparo da comida também é uma estratégia que funciona bem. Primeiro porque estimula o interesse pelo tema. Segundo porque pode ser um processo bem divertido. Se possível, o convide para ir ao sacolão ou à feira. Essa é uma excelente maneira de despertá-lo para a variedade de verduras e frutas. A curiosidade natural das crianças fará todo o trabalho por você quando seu filho se deparar com o universo de cores, texturas e cheiros.

Truques e estratagemas

Saudável sim, neurótico não! Comer algumas delícias faz parte da vida. Quem não gosta de um pudim ou de uma barra de chocolate? Monte um cardápio nutritivo, mas não deixe de incluir na merenda - uma vez ou outra - alguns mimos. "O caminho para acertar são o bom senso e o equilíbrio", aconselha Adriane. Você pode fazer uma surpresa ou combinar com ele um dia na semana para incluir uma gostosura. Por exemplo, toda sexta-feira o lanche vem ladeado de um brinde, que pode ser bala ou um bolo com uma cobertura especial. Outra estratégia divertida é, esporadicamente, enfeitar e brincar com a comida. Fazer caras no sanduíche, cortar o tomate em forma de estrela ou coração e outras coisas mais.

 

Nutri Carol

Assessoria Nutricional
CRN 12245

Publicar comentário como convidado

Publicar comentário como convidado

0